Consultoria de Investimentos

Eu preciso de um Consultor de Investimentos?

Você já parou para olhar a quantidade de investimentos disponíveis no mercado atualmente? E como cada vez mais surgem diversas opções de investimentos?

Rapidamente, só pelo o que vem a minha cabeça posso lhe dizer alguns;

  • Debêntures,
  • Ações,
  • Fundos Imobiliários,
  • CDB, LCI, LCA, LC, CRI, CRA
  • Tesouro Direto,
  • Fundos de Investimento Multimercado,
  • COEs – Certificados de Operações Estruturadas
  • PGBL, VGBL
  • Stock
  • Bond
  • ETFs
  • Ouro…

E a lista não para! Mas você sabe para que serve e quais as características de cada um desses investimentos? Teoricamente todos oferecem a possibilidade de valorização e consequente aumento patrimonial, mas será que todos oferecem condições similares dentro de momentos econômicos diferentes?

Pois é, às vezes investir se torna algo um tanto quanto complexo, sendo necessário contar com ajuda de alguém, mas quem?

O Consultor de Investimentos está aí para oferecer todo o suporte necessário para você conseguir construir uma boa carteira de investimento.

Além disso, com a assessoria do consultor de investimentos você poderá alcançar metas e objetivos, como por exemplo; uma boa aposentadoria ou quem sabe até a independência financeira muito antes do que você poderia imaginar.

Qualquer um pode ser um consultor de investimentos?

Não, como acontece com boa parte das profissões, existem regulamentações para se tornar um consultor de investimentos. Não basta ser formado em direito para exercer a atividade de advogado, você deve estar registrada na OAB também, mesma coisa acontece com contadores e demais profissões.

Para se tornar um consultor de investimento, o profissional deve estar registrado na CVM (Comissão de Valores Mobiliários). A CVM é um órgão que fiscaliza vários segmentos da área de investimentos, como a própria bolsa de valores e os investimentos a ela relacionados.

A regulamentação do consultor de valore mobiliário veio através da Instrução CVM nº 592 (http://www.cvm.gov.br/menu/regulados/consultores/consultores.html). Uma das principais características que o Consultor de Investimentos tem está relacionada ao tratamento direto com o seu cliente.

Ou seja, não existem intermediários entre a relação do consultor de investimentos e do seu cliente. Vale destacar que a CVM faz a regulamentação da profissão além do acompanhamento das funções do profissional.

Para conseguir determinar se um profissional está devidamente inscrito na CVM, você pode consultar o site do órgão, acessando a página de cadastros gerais através desse link.

Principais funções do Consultor de Investimentos

O consultor, antes de tudo, deverá avaliar o perfil de seu cliente. Se você é cliente de uma corretora, provavelmente já deve ter preenchido uma espécie de pesquisa denominada de suitability.

Através dessa pesquisa a corretora, por exemplo, consegue determinar se você é um investidor arrojado, ou conservador. A partir disso, produtos financeiros com determinadas características serão oferecidos a você.

O consultor de investimentos faz essa análise buscando informações semelhantes ao que ocorre com a corretora, porém com um olhar muito mais amplo e mais específico, entendendo os objetivos e os valores do investidor.

A pesquisa inicial, para determinar o suitability vai muito além do que oferecer produtos financeiros, através da pesquisa o consultor poderá explicar e ensinar você um pouco mais sobre os outros investimentos. Assim, você terá amplo conhecimento dos ativos existentes no mercado, podendo inclusive, mudar o seu perfil ao longo da sua caminhada.

Às vezes nossos objetivos não são compatíveis com o nosso perfil de investimento. Sendo que essa diferença pode ser gerada pela falta de conhecimento em determinado ativo. O consultor de investimentos, poderá auxiliar você a otimizar uma carteira visualizando uma eventual aposentadoria, ou até a independência financeira, levando em conta vários fatores, como a idade, profissão, perfil de risco, etc.

Uma pessoa com idade próxima a se aposentar (perto dos 65 anos) já poderia contar com uma carteira mais focada na renda fixa, ou em ativos de alta liquidez e que geram renda mensal.

Um jovem de 25 anos, por exemplo, que pretende conquistar a independência financeira e tem um longo prazo pela frente, pode focar em investimentos mais arrojados, que exigem um pouco mais de risco, mas que entregam rendimentos acima da média.

Todas essas análises e circunstâncias entram no trabalho do consultor de investimentos.

Diferenças entre Consultor de Investimentos e o Agente Autônomo de Investimentos-AAI

O profissional que me atende na corretora, que faz a pesquisa de suitability e me oferece opções de investimento, é um consultor? Não, provavelmente você estará de frente com um agente autônomo de investimentos, ou um assessor de investimentos.

Esse profissional trabalha intermediando uma empresa, que nesse caso é a corretora e você, o cliente. Ele é um vendedor dos produtos financeiros disponíveis na corretora a qual ele é vinculado.

Por mais que haja um contato direto entre você e o assessor, ou agente autônomo, na verdade, o conflito de interesses acaba ocorrendo.

O agente autônomo trabalha para uma corretora, representando a mesma, boa parte de seus conhecimentos e até informações sobre o mercado advém dessa corretora. Em outras palavras, o agente autônomo funciona de forma similar a um gerente de banco, porém, ao invés de vender produtos de um banco, o agente autônomo vai vender os produtos que a sua corretora oferece.

O agente autônomo de investimentos também é regulamentado pela CVM (http://www.cvm.gov.br/menu/regulados/agentes_autonomos/sobre.html), por meio da instrução 497, havendo inclusive um exame de certificação para conseguir trabalhar na função.

O agente autônomo cumpre as tarefas de distribuir produtos financeiros no mercado além de intermediar as operações entre investidores, corretoras e bolsa de valores.

Coisa bem diferente do consultor de investimentos que tem a premissa de defender os interesses do seu cliente, o investidor. Quem remunera o Consultor de Investimentos é o próprio cliente de forma transparente e sem conflito de interesses. Quem remunera o Agente Autônomo são os emissores de produtos financeiros, gestoras, bancos e corretoras através de rebates e comissões sobre os produtos recomendados.

Um trabalha pra corretora e o outro trabalha pra você. O Consultor de Investimentos é proibido pela CVM de receber qualquer tipo de rebate ou comissão e se receber deve passar integralmente para o seu cliente, portanto é fácil perceber a grande diferença entre o trabalho de um e de outro.

 

Conflito de Interesses

A grande diferença entre os agentes autônomos e os consultores de investimentos está baseada no conflito de interesses que existe no mercado. Existem algumas corretoras que vendem seus agentes autônomos, ou assessores, como se fossem “consultores”.Eles compreendem o funcionamento do mercado, e em grande parte são bons profissionais, mas não são consultores.

Eles são profissionais que trabalham para as corretoras com o intuído de distribuir e gerenciar os produtos financeiros que as mesmas possuem. Sendo assim, quando um agente autônomo faz uma análise e lhe indica um fundo de investimento, ou até a participação em um IPO (oferta inicial de ações) provavelmente ele está indicando esses ativos naquele momento dado algum incentivo financeiro oferecido pela sua corretora.

Os motivos podem ser vários, desde o ganho de comissão, ou até para bater alguma meta, de forma bem similar ao que acontece com os gerentes de bancos. Isso acaba gerando o conflito de interesses entre o que o investidor precisa de verdade e o que o agente autônomo e a corretora querem.

Fora disso, existe o Consultor de Investimentos devidamente regulamentado pela CVM que vai defender os seus interesses sem qualquer tipo de conflito dado que a relação dele é com você e não com uma instituição financeira ou corretora.